Ao utilizar este site consideramos que aceita a utilização de cookies.

← voltar à listagem

O impacto da COVID-19 no retalho mundial será superior à Grande Depressão

O impacto da COVID-19 no retalho mundial será superior à Grande Depressão

30

JUL

2020


As vendas totais no retalho em todo o mundo devem atingir US $ 23.358 triliões em 2020, uma queda de 5,7% em relação a 2019 - e quase 12% abaixo da estimativa pré-pandémica de US $ 26.459 triliões, segundo a eMarketer.


A magnitude do abrandamento e o ritmo da recuperação serão mais difíceis no mercado de retalho do que a Grande Depressão. Neste contexto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que o PIB mundial contrairá 3% este ano, comparado com a queda de 0,1% em 2009.


Quando a recuperação ocorrer, deverá ser mais lenta: após a crise financeira de 2008-2009, a maioria dos mercados afetados levou aproximadamente um ano para que as vendas no retalho regressassem aos níveis pré-crise. Para esta crise, calcula-se um período de recuperação mais longo, de sensivelmente dois anos. A maioria dos países retornará aos níveis de crescimento pré-pandémico até 2022, embora alguns países do norte da Europa possam retomar o crescimento normal até o final de 2021.


A recuperação será mais lenta, pois os impactos diretos, como o fecho de lojas e supply-chains, serão agravados por efeitos secundários, como exportações lentas e alto desemprego. "Períodos prolongados de atividade económica abaixo da tendência podem levar a efeitos indiretos, como abrandamento das exportações, levando a menor receita, maior desemprego e falências", disse o forecasting director da eMarketer Insider Intelligence Shelleen Shum.


 


Fonte: eMarketer


O impacto da COVID-19 no retalho mundial será superior à Grande Depressão