Ao utilizar este site consideramos que aceita a utilização de cookies.

← voltar à listagem

Portugueses compram menos, mas gastam mais

Portugueses compram menos, mas gastam mais

17

JUL

2019

O mercado FMCG nacional registou uma quebra de 1% em volume e um crescimento de 2,1% no último trimestre de 2016, números que, segundo o estudo ‘Marcas + Consumidores’ da Centromarca, vêm confirmar a tendência dos consumidores nacionais para comprar menos quantidade, mas gastar mais. De acordo com o relatório apresentado no dia 2 de março, os consumidores portugueses estão cada vez mais atentos à inovação e procuram também cada vez mais conveniência na hora de ir às compras.

Os dados agora divulgados mostram que os portugueses compram menos produtos nas idas ao hipermercado, o que justifica esta queda em volume e tem impedido o crescimento do setor, muito por força das categorias Alimentação (-1,4%), Higiene Pessoal & Beleza (-0,6%) e Bebidas (-0,1%). Em contra ciclo está o segmento de Limpeza do Lar, que cresceu 1,2% e que “é o grande impulsionador do aumento do volume da cesta”, nomeadamente por força de produtos como detergentes para a roupa.

Por outro lado, o estudo revela que os consumidores estão cada vez mais atentos à inovação em FMCG, sobretudo os consumidores até aos 34 anos de idade, os mesmos que exigem “mais conveniência quando se deslocam aos hipermercados”. De acordo com o estudo da Centromarca, estes shoppers “experimentam cada vez mais novos produtos”, uma tendência que poderá estar a ser impulsionada pelo crescimento promocional, “que tem levado à experimentação de novas marcas e ao aumento das compras exclusivas em promoção.” Os novos produtos representam, inclusive, 14% do sortido em Portugal, um valor acima da média europeia de 10%.

Portugal está acima da média europeia no que diz respeito ao total das vendas de novos produtos (13,5% vs 16%), o que o posiciona como um dos países mais inovadores quando comparado, por exemplo, com a Espanha, Polónia, Alemanha ou Bélgica”, acrescenta Pedro Pimentel.

Alimentação saudável ganha terreno

Outro dado agora revelado pelo estudo e que vem confirmar uma tendência já com alguns anos, é que os shoppers nacionais optam cada vez mais por produtos mais saudáveis, independentemente do preço que tenham que pagar. Segundo o estudo da Centromarca, os consumidores portugueses “não se importam de pagar mais por alimentos sem aditivos e sem conservantes, mas também com menos teor de sal e menos gorduras”.

(Fonte: Distribuição Hoje)

Portugueses compram menos, mas gastam mais